sábado, 26 de novembro de 2016

O Fidel Castro e o Fiel de Cristo

O Fidel Castro e o Fiel de Cristo

Hoje dois homens muito influentes deixaram este mundo...

O primeiro deles, Fidel Castro, é o que está estampado nas manchetes dos jornais por haver sido o líder da Revolução Cubana. O outro, não está tendo o mesmo destaque na mídia jornalística, apenas informações em noticiários evangélicos. Este também fazia parte de uma “revolução”, mas da “boa revolução”, a Revolução de Cristo, daqueles que estão inconformados com os valores deste mundo e anseiam por uma Pátria superior.


O primeiro era conhecido pelo nome de Fidel, um nome que até causava medo nas pessoas. Quem não concordasse com ele, por vezes, perdia sua própria vida mediante as armas de sua milícia. O segundo era conhecido por ser Fiel. Este já não causava medo em ninguém, muito pelo contrário, ele atraía as pessoas para ouvir de Cristo. Caso alguém não concordasse com ele, mansamente era incentivado a estudar melhor as Escrituras, a única arma de sua Revolução Cristã.

O primeiro, como o rei Jeorão, parte “sem deixar de si saudades” (2Cr 21.20). O segundo, como um bom servo de Cristo, deixa um legado.

O primeiro não tinha muito do que esperar na vida porvir, pois vivia como se este mundo fosse a única coisa a se apegar. O segundo tinha o desejo de se “desmamar deste mundo” para estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor (Fp 1.23).

Que continuemos lutando, firmemente, pela Revolução de Cristo.

“Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas, anulando nós sofismas e toda altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo.” (2Co 10.4-5).



A nosso Deus toda honra e toda a glória pela grata lembrança que temos de Seu Servo Fiel: Dr. Russell Shedd.

Pr. Franck Neuwirth (26/11/2016)

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Passos para discernir a vontade de Deus

Quantas vezes você já se viu numa situação onde não tinha a menor ideia de qual era a vontade de Deus para a sua vida naquela ocasião? Nós, frequentemente, temos que tomar decisões em nosso dia a dia e nem sempre temos a certeza de que as nossas atitudes estão em perfeita sintonia com a vontade de Deus.
Então como saber qual é a vontade de Deus para as nossas vidas? Os passos a seguir podem nos ajudar em meio às situações enfrentadas:
1. O primeiro passo é com relação à oração, que é a base de tudo. Quando oramos ao Senhor estamos nos preparando para ficar em sintonia com a Sua vontade.
“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.” (Filipenses 4.6)
2. O segundo passo é a meditação na Palavra de Deus. Quando buscamos a orientação na Bíblia, Deus fala conosco.
“A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices.” (Salmo 19.7).
3. O terceiro passo é a busca de bons conselheiros. Note bem, BONS conselheiros.
“Onde não há conselho fracassam os projetos, mas com os muitos conselheiros há bom êxito.” (Provérbios 15.22)
Devem ser pessoas maduras na vida cristã que podem perfeitamente ser instrumentos nas mãos do Senhor para a nossa instrução. Veja que Roboão ao desprezar este passo dividiu o reino de seu pai (1 Reis 12).
4. O quarto passo é saber qual a verdadeira motivação que estamos tendo por trás da situação ou caminho que queremos trilhar.
“Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.” (1 Coríntios 10.31)
Muitas vezes estamos buscando uma realização a parte de Deus. Se o nosso objetivo, acima de qualquer outro, não for buscar a glória de Deus, estaremos agindo de maneira egocêntrica, o que logicamente desagrada ao Senhor.
5. O quinto passo é perceber se, após tudo isso, temos paz em nosso coração. Somente agora podemos dar este passo, pois a Bíblia declara que o coração do homem é enganoso (Jeremias 17.9).
“Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos.” (Colossenses 3.15)
Somente quando estamos orando, lendo a Bíblia, tendo bons conselheiros e buscando a glória de Deus é que podemos analisar o nosso coração, aliás, deve, ainda assim, ser por meio da paz de Cristo nele, não um mero sentimento sem fundamento algum.
6. Depois de tudo isso, podemos dar o último passo: Analisar as circunstâncias que irão nos dizer (com base nas convicções obtidas) se é o momento certo ou se ainda devemos esperar para colocar algo em prática.
“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu.” (Eclesiastes 3.1)
Não sejamos crentes insensatos. Busquemos constantemente conhecer a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

Pr. Franck Neuwirth