sexta-feira, 15 de outubro de 2010

PORQUE DEUS QUER QUE NÓS OREMOS?



"...porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais".
Mateus 6:8

Quem nunca fez a pergunta que encabeça nossa meditação? Se Deus já sabe o que pedimos, ou pensamos, por que devemos então orar?

Entendo que a oração tem mais significado para nós do que para Deus propriamente. Digo isto porque Ele não precisaria que nossos lábios mencionassem palavra alguma para ficar sabendo do que precisamos, pois Deus conhece os nossos corações (Atos 15.8).

Entendo que existem pelo menos três razões pelas quais a oração é algo necessário para os cristãos:

1. Para reforçar a nossa dependência de Deus: Nós, seres humanos, apesar de geralmente gostarmos de viver em comunidade, não gostamos de depender de ninguém. Nós preferimos viver sem prestar contas a nenhuma pessoa, tomando as nossas próprias decisões, enfim, queremos dizer que já sabemos tomar conta do nosso próprio nariz. A oração nos coloca em nosso devido lugar diante de Deus: o de servos totalmente dependentes do seu Senhor. Jesus insistiu em afirmar isto ao dizer: "Eu sou a videira, vós os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer" (João 15.5). Somente quando vivemos na dependência de Deus é que conseguimos realizar alguma coisa e a oração nos faz lembrar disso.

2. Para que nos lembremos que é Deus quem vai resolver os nossos problemas: Quantas vezes deixamos de praticar aquilo que nos ensina o Salmo 37, verso 5 e seguintes: "Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nEle, e o mais Ele fará (...) Descansa no Senhor e espera nEle". Nós oramos, mas não entregamos, confiamos, mas não descansamos e muito menos não esperamos nem um minuto sequer pela resposta. No momento em que confiamos plenamente no poder de Cristo ouviremos a Sua voz, dizendo: "Não temas, crê somente" (Marcos 5.36).

3. Para que sejamos testemunhas do poder de Deus: Quando nós oramos e Deus responde (aliás, Ele sempre responde, mas a Sua resposta, nem sempre é a que gostaríamos de receber, mas é a que precisávamos receber), somos testemunhas vivas daquilo que Deus tem realizado neste mundo e em nossas vidas, podendo testemunhar aos outros que ainda não conhecem ao Senhor sobre o Seu poder. Foi o que Jesus pediu àquele a quem havia curado: "Volta para casa e conta aos teus tudo o que Deus fez por ti" (Lucas 8.39). Quando oramos, Deus é glorificado!

Que tenhamos uma vida constante de oração, afinal, os beneficiados seremos nós mesmos!

Pr. Franck Neuwirth

Por vinte e cinco centavos



“Mas vem a hora, e já chegou, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores.”
João 4.23

Leiam esta interessante história que recebi há um bom tempo:

Alguns anos atrás, um pregador mudou-se para Houston, Texas.

Poucos dias depois que chegou, teve de ir de ônibus de sua casa até o centro da cidade.

Quando se sentou, descobriu ter recebido 25 centavos a mais no troco que pagara pela passagem.

Considerando o que deveria fazer, ele pensou:

- É melhor devolver os 25 centavos. Seria errado mantê-lo.

Então ele pensou:

- Oh, esquece. Apenas 25 centavos. Quem se preocuparia por quantia tão pequena? Além do mais, a empresa de ônibus já tem bastante; nunca sentirão falta. Aceite-o como um presente e fique quieto.

Quando chegou ao ponto onde desceria do ônibus, parou momentaneamente na porta, então entregou a moeda ao motorista e disse:

- Tome, você me deu troco a mais.

O motorista, com um sorriso, respondeu:

- Você não é o novo pregador? Eu tenho pensado sobre ir lhe ouvir. Eu queria apenas ver o que você faria se eu lhe desse troco a mais.

Quando o nosso amigo saiu do ônibus, ele agarrou literalmente o poste mais próximo, e disse:

- Oh Deus, me perdoe! Eu quase vendi Seu Filho por 25 centavos.

Recebi a história acima num boletim dominical, pelo que me parece, tal história pode ser verdadeira. Mas, ainda que seja apenas uma história ilustrativa, o ensinamento que traz para todos nós é verdadeiro.

Quantas vezes andamos pela rua como se ninguém estivesse olhando para nós? Por vezes pensamos que tudo o que fazemos é “da nossa conta” apenas. Mas todas as nossas atitudes estão sendo observadas pelos outros, visando saber se de fato vivemos o que cremos. Além disso, Deus está constantemente olhando para nós, buscando adoradores que o adorem.

Em espírito sim, mas também em verdade!

Pr. Franck Neuwirth